terça-feira, 5 de março de 2013

Alguns suplementos alimentares e algumas de suas funções no organismo !!!!!!

Ripped FuelHydroxycutXenadrineComposição por dose
334 mg334 mg335 mgextrato de Ma Huang (6% de efedrina)
910 mg910 mg910 mgextrato de Guaraná (22% de cafeína)
100 mg100 mg-L-Carnitina
200 mcg300 mcg-Picolinato de Cromo
-2000 mg-HCA (Hydroxagen – 50% de Ácido Hidroxicítrico)
-100 mg105 mgWhite Willow Bark (15% de salicina)
--125 mg“Citrus Aurintium” (4% de synephrine)
--100 mgAcetil L-Carnitina
--50 mg“Ginger Root”
--40 mgvitamina B5 (ácido pantotênico)
--80 mgL-Tirosina
100 mcg--Potássio e Magnésio



O que significa cada componente

Synephrine: As principais fontes naturais são: Citrus Auratium e Citrus unshiu. Esta substância vem sendo usada para combater alergia, asma e inflamações. A ação farmacológica da synephrine inclui a estimulação direta dos receptores alfa-adrenérgicos e possível ação indireta nos receptores beta-adrenérgicos. Esta substância funciona como descongestionante e também combate a pressão arterial alta. Um estudo de SONG et al (1996), mostrou o efeito antidepressivo deste alfa agonista.

L-Tirosina: é um aminoácido não-essencial sintetizado a partir da fenilalanina e, como esse AA, é diretamente envolvida com os neurotransmissores epinefrina e norepinefrina, principalmente o último. Por alguns quadros de estresse apresentarem baixos níveis de catecolaminas, atribui-se a tirosina um importante papel no combate deste mal.
Há um estudo no qual alguns soldados foram submetidos a situações de estresse físico e psicológico, como serem levados rapidamente a altura de 15.500 pés. Neste estudo os soldados que receberam suplementos de tirosina antes do desafio tiveram melhor performance e menor desgaste físico e emocional (eu não pude encontrar o artigo mas suponho que seja de OWASOYO et al, publicado em 1992). Efeitos semelhantes foram encontrados por DEIJEN et al (1999)
Em 1999, THOMAS realizou uma pesquisa onde o uso de tirosina melhorou a performance em situações que o estresse pode ser contraproducente, como realização de tarefas múltiplas. A Tirosina também amenizou outros estados estressantes como: ausência de sono (McCANN et al, 1992; NERI et al, 1995) e estado pós gripe (SHURTLEFF et al, 1994)
Diversos estudos com animais provam o mesmo, provavelmente este efeito se dê pela prevenção da redução da quantidade de norepinefrina. Tem-se aumentado as evidências clínicas que levam a crer que este AA seja um efetivo antidepressivo, sendo, inclusive, usado nos tratamentos de dependentes químicos, especificamente viciados em cocaína, e na prevenção dos efeitos da TPM em mulheres.

Vitamina B5: supõe-se que esta vitamina ajude a converter carboidratos, proteínas e gorduras em energia e melhore o sistema imunológico. De evidências só encontrei as referentes ao sistema imunológico e ao processo de cicatrização (KAPP et al, 1999, WEIMANN et al, 1999 YOSHIKAWA, 1999). Sua deficiência esta relacionada com depressão, fraqueza e pouca resistência a infecções.

Acetil L-Carnitina (ALC): derivado da L-Carnitina e geralmente usado para prevenir fadiga, aumentar a energia e manter a massa magra. O ALC tem função similar a L-Carnitina no transporte de AGL, para sua metabolização dentro do mitocôndria. Alguns estudos médicos mostraram que o ALC ajuda a estimular o neurotransmissor acetilcolina, melhorando as função cognitivas degradadas. É muita usada na geriatria, no tratamento de mal de Alzheimer, demência, neuropatologias em geral e devido ao abuso de álcool (PASSERI et al, 1990; POSTIGLIONE et al, 199; RAI et al, 1990; TEMPESTA, et al, 1990; KALARIA et al, 1992).

Ginger Root (raiz de gengibre): na medicina asiática é usada para aliviar dores de estômago e como diurético (devida à asparagine). Atribui-se a ingestão desta raiz: melhoras na digestão e no apetite e aumento da produção de fluidos gástricos, causando melhor absorção de nutrientes (o que foi parcialmente desmentido por PHILLIPS et al, 1993). É usada para prevenir: enjôo matinal e enxaquecas. Também usa-se esta raiz para tratar: pressão alta (devido ao Gingerol), dores em geral (devido ao Shagaol). BONE et al (1990) comprovaram sua eficácia no tratamento de naúsea, porém STEWART et al (1991) mostraram o contrário.

HCA: Supõe-se que o Ácido Hidroxicítrico (HCA ou Citrimax) iniba a conversão de carboidratos em gordura. A enzima necessária para a conversão da glicose em gordura é denominada ATP-citrato-liase. A atividade desta enzima converte o citrato em Acetil-CoA que é o ultimo composto carbônico necessário a síntese de ácidos graxos, o Citrimax atua competindo/inibindo a ATP-citrato-liase. Esta enzima também é necessária para manter a concentração de Acetil-CoA usado na produção de ácidos graxos e colesterol, especialmente em estados de alta produção de lipídios como o induzido por alta ingestão de carboidratos. A inibição de sua atividade elimina a fonte de dois carbonos usada para manufaturar ácidos graxos e colesterol. Em animais, a administração de Citrimax (HCA ou ácido hidroxicítrico), causou menor ingestão de comida, isto pode ser devido a diminuição da conversão de ácidos graxos e glicose em gordura, ocorrida no fígado, tornando-os disponíveis para as reservas de glicogênio hepático.
Em um estudo de HEYMSFIELD et al (1998) administrou-se 1.500 mg de HCA por dia em obesos e não foi verificada nenhuma diferença significativa entre quem tomou e quem não tomou HCA. KRIKETOS et al (1999) também não conseguiram comprovar a eficiência do ácido hidroxicítrico, desmentindo, também, a hipótese de que o HCA aumente a conversão de lactato para glicose no fígado.

Picolinato de Cromo: complexo orgânico composto por Cromo trivalente e ácido picolinato. É essencial no metabolismo de gorduras e colesterol e potencializa o efeito da insulina. A adição do ácido picolinato facilita a absorção e retenção do Cromo pelo corpo. Há pesquisadores supondo que o Cromo aumente o metabolismo por alterar a concentração de alguns neurtransmissores como a serotonina. Outros revelaram que pode ocorrer ganho de peso caso a ingestão de Cromo não seja acompanhada de atividade física. PRESS (1990) verificou que a ingestão de Picolinato de Cromo ajuda no controle do níveis de lipoproteínas, proporcionando uma relação favorável entre LDL e HDL, diminuindo os níveis do primeiro e aumentando os do segundo. Supõe-se também que o picolinato de cromo possa potencializar o efeito da insulina aumentado a permeabilidade da membrana celular, o que resultaria em maior absorção de macronutrientes (EVANS et al, 1992).
READING (1996) sugere que o suposto efeito do picolinato de cromo no emagrecimento se deva a atuação do ácido picolinico no sistema nervoso central, e por esse motivo adverte para se ter cuidado com o seu uso.
Porém há alguns estudos onde o uso de picolinato de cromo se mostrou ineficiente, ou seja, não obteve-se melhoras na composição corporal nem na performance em indivíduos praticantes de treinamento com pesos (CLANCY et al, 1994, TRENT et al, 1995, WAYNE et al, 1999)

Salicina (proveniente do White Willow Bark): tem os efeitos similares à aspirina, mas ao contrário desta, supõe-se que não cause problemas estomacais.


beijos

Carol Foltran,


Postar um comentário