terça-feira, 9 de outubro de 2012

Gordura abdominal é perigosa à saúde !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


 Aqueles famosos pneuzinhos na barriga incomodam e muito esteticamente, porém, você sabia que elas também fazem mal à saúde? É isso mesmo. Segundo a endocrinologista Cláudia Chang ela é preocupante e deve ser eliminada. Ela explica que a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, que põe glicose do sangue para "dentro" das células. 

Quando se está acima do peso ou com excesso de concentração de gordura na região abdominal (gordura visceral), a insulina passa a ter "dificuldade" para agir, instalando-se assim um quadro de resistência.

O que o organismo faz para tentar "superar" essa resistência? Produz mais insulina. O problema é que a insulina em excesso gera ganho de peso (ela é um hormônio que produz energia, anabólico), estabelecendo-se assim um círculo vicioso. Como o pâncreas tem sua demanda metabólica muito aumentada (trabalha muito acima da capacidade que deveria), pode chegar uma hora que não consegue mais manter esse "ritmo de produção". "Daí, surgem as alterações glicêmicas  que vão desde glicemia de jejum alterada e intolerância a carboidrato (feito pelo teste oral de tolerância a glicose ou curva glicêmica) até o diabetes franco", explica ela.

Existem duas formas de se medir a circunferência abdominal. A mais fácil é na linha da cicatriz umbilical (a outra forma seria no meio entre a borda da última costela e a parte mais alta do osso do quadril, que chamamos de crista ilíaca). Quanto menor a circunferência abdominal, melhor. A endocrinologista explica que existem dois consensos que podem ser usados na prática diária que determinam os valores ideais de circunferência:

- de 2001 (NCEP/ATPIII): que considera valor ideal <102 cm homens e <88 cm mulheres;

- de 2004 (IDF): que considera nível mais baixo (94 cm para homens e 80 cm para mulheres de descendência europeia) e faz uma diferenciação quanto à raça, pois os orientais tendem a apresentar quadro de resistência insulínica com valores de circunferência mais baixos (85 cm para homens e 90 cm para mulheres japonesas).

resistência insulínica  é o principal componente da síndrome metabólica, que consiste basicamente na elevação dos níveis da pressão arterial (hipertensão), alterações nos níveis de colesterol (colesterol bom ou HDL baixo; colesterol ruim LDL alto; elevação dos triglicérides), excesso de peso predominantemente abdominal (gordura visceral) e alterações glicêmicas que vão desde quadros iniciais de alteração na glicemia de jejum e após sobrecarga (pré-diabetes), até o diagnóstico de diabetes franco.

A intervenção mais eficaz para reverter o processo de resistência insulínica é o emagrecimento associado à atividade física. "No estudo DPP – Diabetes Prevention 

Program – foi visto que naquelas pessoas que tinham quadro de pré-diabetes a modificação do estilo de vida foi mais eficaz do que a medicação para resistência insulínica utilizada isoladamente", diz Cláudia.

De acordo com Cláudia, o ideal seria adotar hábitos alimentares mais saudáveis, com diminuição da quantidade de carboidratos simples (açúcar refinado), dando preferência para carboidratos complexos e integrais (arroz e pão integral). A dieta à base de proteína teria o efeito de ser mais sacietógena (indivíduo sente menos fome) e, como a proteína não utiliza este mecanismo envolvido do metabolismo da insulina, não haveria uma dificuldade de ação na mesma. A cautela que se deve ter é que o corpo tem um "limiar" de absorção proteica (em média 1,5 g/kg/dia). Acima disso, o organismo não consegue estocar e acaba eliminando. O responsável pela eliminação desse excesso de proteína é o rim, ou seja, pessoas com histórico de cálculo renal e alteração da função renal têm de ter muita cautela.

Outro cuidado é para não aumentar a quantidade de gordura da dieta decorrente do aumento proteico, principalmente gordura saturada, que é a pior para o organismo. "O ideal ainda é uma alimentação balanceada associada a um programa regular de atividade física", finaliza Cláudia.





beijos

Carol Foltran
Postar um comentário